Notícias : ​Uma mãe usou o seu filho de 3 anos como objeto sexual, mas isto está longe de ser o pior desta história horrível.

​Uma mãe usou o seu filho de 3 anos como objeto sexual, mas isto está longe de ser o pior desta história horrível.

Mas que horror!

Partilhar no Facebook
765 765 Partilhas

Uma mãe usou o seu filho de 3 anos como objeto sexual, mas isto está longe de ser o pior desta história horrível.

Uma mãe incestuosa que usou o seu filho de 3 anos como brinquedo sexual passará 8 anos na prisão, mas o mais perturbante é que a mulher também deixava o seu amante usar o menino.

“Abusar de uma criança é uma coisa e oferecê-la para abusos é outra”, a juíza Myriam Lachance insistiu em condenar a mulher de 42 anos, não revelando a sua identidade para proteger o seu filho.

O seu companheiro, que não é o pai do menino, foi condenado a 9 anos de prisão.

Os agressores eram um casal há um ano e meio, em 2013 e 2014. Eles conheceram-se num “site dedicado à procura de parceiros sexuais”. A sexualidade desenfreada do casal chegou ao ponto de este decidir integrar a criança nas suas experiências.

A criança foi tocada sexualmente sete vezes e isto foi filmado com os telemóveis do casal.

Vemos o rapaz a segurar o pescoço da mãe enquanto esta faz um felácio ao seu parceiro, ou a masturbar o homem ou a ajudar a mãe a fazê-lo. Outro vídeo mostra a criança na cama a receber um felácio feito pela sua própria mãe.

“Quando, para além disso, a criança é usada para produzir material pornográfico para imortalizar a agressão, atingimos o nível máximo de criminalidade”, disse a juíza na terça-feira.

Em janeiro, o casal declarou-se culpado pela agressão sexual a um menor, juntamente com outra pessoa e pela produção e posse de pornografia infantil.

Uma acusação de fazer com que o seu filho se envolva em atos sexuais proibidos com terceiros foi adicionada à mãe. O parceiro, por outro lado, admitiu possuir pornografia infantil para distribuição.

615 imagens de pornografia infantil alertaram as autoridades no início da investigação. A Microsoft denunciou o homem em janeiro de 2013 após downloads feitos no seu computador. A polícia de Montreal encontrou os vídeos envolvendo a criança, conseguiu identificá-la e isto levou à prisão da mãe.

Desde a sua detenção em setembro de 2015, a mãe não tem contato com o filho que está sob custódia do pai biológico.

“Esta criança carregará traços destas agressões para o resto da sua vida devido à traição da pessoa de quem este deveria receber proteção incondicional”, diz a juíza Lachance.

Partilhar no Facebook
765 765 Partilhas

Fonte: Ayoye · Crédito foto: Ayoye

Goste/partilhe