Notícias : ​Toda a gente lhe dizia que era muito bonita. Até que aos 47 anos de idade teve uma ideia fatal

​Toda a gente lhe dizia que era muito bonita. Até que aos 47 anos de idade teve uma ideia fatal

Apenas alguns retoques

Partilhar no Facebook
839 839 Partilhas

Toda a gente lhe dizia que era muito bonita. Até que aos 47 anos de idade teve uma ideia fatal

Na sua juventude, Carol Bryan, da Flórida, EUA, foi considerada uma mulher muito atraente: aos 20 anos, Carol sentia-se segura e bem com a sua aparência física. Contudo, quando chegou aos 30, Carol decidiu que tinha chegado a hora de fazer umas melhorias... 

Carol só queria remover as linhas de expressão que se formaram à volta dos seus olhos pelo que recorreu ao botox para conseguir isso. Os resultados foram do seu agrado: subtis, mas, ao mesmo tempo, o seu aspeto tinha melhorado. A americana estava muito feliz com a sua decisão... 

Passaram os anos e Carol notou que tinha perdido volume na zona das bochechas e testa. Depois de se consultar com um cirurgião plástico, este insistiu que uns preenchimentos injetáveis seriam muito recomendáveis. Foi então que começou o pesadelo de Carol, que tinha na altura 47 anos. 

É que embora sejam inofensivos, existem certas zonas nas quais não se devem realizar preenchimentos injetáveis. O cirurgião de Carol combinou dois tipos diferentes de preenchimentos numa mesma seringa e aplicou-os em zonas indevidas. Um dos preenchimentos era de silicone. Nos três meses seguintes, o rosto e testa de Carol começaram a inchar de forma perigosa: tanto que teve de colar as pálpebras com fita adesiva para que não fechassem. 

Foi então que começaram as operações de cirurgia corretiva. Durante 4 anos estas só acabaram por desfigurar ainda mais o rosto de Carol, que começou a fechar-se em casa. Não queria ver os seus amigos ou a sua família; sentia-se um monstro. 

"Eu colocava chapéus, lenços e estava sempre com óculos de sol, com a esperança de poder olhar-me um dia ao espelho e voltar a reconhecer-me". Mas, em 2013, a filha de Carol, Sofia, decidiu que as coisas não podiam continuar assim. Sofia tirou algumas fotos à sua mãe e enviou-as juntamente com a sua história a diferentes hospitais de todo o país. No entanto, todos se recusaram a ajudar Carol: todos menos o Dr. Reza Jarrahy, Codiretor da Clínica Craniofacial da UCLA. 

Graças ao Dr. Jarrahy, Carol tem agora uma nova vida. "Agora o que quero é que isto não aconteça a ninguém nunca mais, e farei tudo o que tiver ao meu alcance para que assim seja". É que a cirurgia plástica é muito perigosa se não for feita pelas mãos de um profissional qualificado, e é muito importante saber mais sobre todos os riscos, assim como consultar diferentes especialistas. Não a faça de ânimo leve! 

Aqui pode ver um vídeo (em inglês) da tremenda história desta mulher:  

Partilhar no Facebook
839 839 Partilhas

Fonte: No lo creo · Crédito foto: No lo creo

Goste/partilhe