Notícias : Quando ela o adotou só pesava uns quilinhos. Veja-o agora!​

Quando ela o adotou só pesava uns quilinhos. Veja-o agora!​

Uma condição horrível!

Partilhar no Facebook
335 335 Partilhas

Quando ela o adotou só pesava uns quilinhos. Veja-o agora!

Quando ela o adotou só pesava uns quilinhos. Veja agora!

O pequeno Ryan Morse com os seus sete aninhos, nunca tinha podido ganhar peso nem crescer. Além disso, todo o seu corpo estava coberto com pelos, por causa da desnutrição. 

Apesar de todos os esforços das pessoas que cuidavam dele num orfanato da Bulgária, o pequeno estava muito perto da morte.

Em 2015, quando Priscilla Morse viu a criança nas fotos do Facebook, sentiu imediatamente que tinha de salvá-lo! 

E em 2015 conseguiu por fim levá-lo para a sua casa em Nashville, Tenessee. Desde então passaram 13 meses. Desde a sua adoção, Ryan ganhou 6 quilos e continua em recuperação na sua nova casa.

A sua mãe orgulhosa que trabalha como ourives, declarou. "Adotámos o nosso primeiro filho há quatro anos. Eu também fui adotada. Quando vi a foto de Ryan no seu orfanato lembrei-me que o meu irmão também teve necessidade de cuidados especiais antes de morrer. Supliquei ao meu marido para que o adotássemos e assim eu pudesse cuidar dele". 

Em julho de 2015, pode visitá-lo pela primeira vez a fim de completar a papelada. Passou semanas a tentar criar laços com o menino. Em outubro, regressou a Burgas na Bulgária, para levá-lo para casa.

"A Bulgária é um país fantástico, mas não têm recursos suficientes para cuidar das suas crianças, embora façam o que podem. Só tinham que entubá-lo para alimentá-lo. O que o estava a matar era a fome. Quando o vi pela primeira vez, o primeiro que pensei é que ia morrer". 

"Vê-lo pela primeira vez foi impressionante, porque nas fotos não se via como ele era realmente. Parecia ainda mais pequeno, mais doente e mais frágil. As suas coxas tinham o tamanho do meu dedo indicador". 

Logo que chegaram a Nashville, levaram Ryan ao Vanderbilt Children´s Hospital.

"Fomos diretamente para o hospital, nem sequer passamos por casa para ver os nossos filhos."

Os médicos nunca tinham visto algo assim e disseram-me que se isto tivesse acontecido nos EUA, tinha sido uma notícia de alcance nacional pelo incomum de ter estado a passar fome durante 7 anos. Eles não acreditavam que o menino ia sobreviver". 

Ryan sofreu da síndrome de realimentação inadequada até janeiro de 2016, porque o seu organismo não tolerava estar entubado para ser alimentado. O pequeno aspirava ar para sentir a barriga cheia e vomitava a comida.

Felizmente, em março passado, ele começou a ganhar peso. O seu corpo precisou de vários meses até ser capaz de assimilar os alimentos!

"Ele não tolerava a comida do orfanato e aprendeu a regurgitá-la para permanecer com vida. Os médicos assumiram que isto era algo comportamental, por isso foi entubado até ao intestino. 

Quando a família o acolheu o menino permanecia retraído, não conseguia estabelecer contacto visual e os seus músculos estavam atrofiados. Agora começa a emitir sons, a rir e a mover-se!

Até come com normalidade em quantidades muito pequenas. De acordo com Priscilla, serão necessários vários anos até que se habitue.

"Se não o tivéssemos trazido connosco, tinha morrido. Agora é a criança mais feliz que eu já conheci. Acorda com um sorriso, deita-se com um sorriso e raramente chora. Os nossos outros filhos adoram-no. É o nosso pequeno bebé!"

Atualmente, Ryan continua nas mãos dos especialistas. É possível que padeça de autismo e algum tipo de nanismo. 

"Para os pais que desejam adotar, digo-lhes que não ignorem os meninos com problemas. Certamente, é uma dura batalha e devemos ter um sentido de humor... negro. Se não conseguem rir-se perante a situação, não o conseguirão. Mas lutar pela vida destes meninos vale a pena!

O que achas do gesto valente desta mãe? Achas que as crianças com problemas são rejeitadas pelas famílias adotantes? Deixa-nos os teus comentários!

Partilhar no Facebook
335 335 Partilhas

Fonte: Ayoye · Crédito foto: Ayoye

Goste/partilhe