Notícias : ​Por 15 anos ele enterrou crianças vítimas de aborto até que ele resolveu fazer diferente! Essa história me fez acreditar na humanidade!

​Por 15 anos ele enterrou crianças vítimas de aborto até que ele resolveu fazer diferente! Essa história me fez acreditar na humanidade!

Ele escolheu esta vida.

Partilhar no Facebook
516 516 Partilhas

Por 15 anos ele enterrou crianças vítimas de aborto até que ele resolveu fazer diferente! Essa história me fez acreditar na humanidade!

Tong Phuoc Phuc, do Vietnã é um cidadão que deve ser reverenciado e amado pelo mundo todo. Pessoas como ele são raras e precisam ser conhecidas!

Essa história começou quando Tong foi com a sua mulher gravida até ao hospital em 2001 e percebeu que algumas mulheres chegavam para ter bebê e saiam de lá sem eles. Foi então que ele perguntou se poderia pegar esses bebes para dar a eles um enterro digno. 

Com suas economias, o ex pedreiro comprou um pedaço de terra no topo de uma montanha chamada Hon Thom, na cidade de Nha Trang. Tong começou a enterrar os bebês mortos. Ele já enterrou mais de 10.000 bebês, sua mulher achou que ele estava louco e ele dizia que o cemitério não era um lugar de tristeza, mas um local para tocar as mulheres em sua sensibilidade. 

Em um certo momento o ato não lhe agradava mais, ele percebeu que poderia fazer mais e ao invés de enterrar as crianças, começou a salvá-las. Ele salvou a vida de mais de 100 crianças nos últimos 15 anos.   

Mães que não tinham condições de criar seus filhos começaram a ir até Tong pedir ajuda. O homem passou de coveiro a salvador de vidas, adotando várias crianças dessas mães em desespero.

Mas a ideia dele era devolver essas crianças a mãe assim que elas tivessem condições de criá-las. Então, o que era apenas um cemitério, se tornou um lar especial para mais de 100 crianças. 

Por causa disso Tong inventou um apelido fácil de lembrar para cada uma: todos os meninos eram chamados "Vinh" (honra), e todas as meninas eram chamadas "Tam" (coração). O segundo e terceiro nomes eram o nome da mãe e o sobrenome de Tong, respectivamente. Mas esse pai não trata as crianças como filhos adotivos provisórios, mas como seus próprios filhos. 

  

Essa tarefa nobre é digna de muito respeito e admiração, mas Tong não acha que fez muito, acha que fez o que podia."Eu vou continuar este trabalho até dar meu último suspiro.", ele disse. "Eu espero que os meus próprios filhos continuem ajudando as pessoas quando eu partir." Você pode ver o amor e a gratidão no olhar de cada uma de suas crianças.          

Partilhar no Facebook
516 516 Partilhas

Fonte: Não Acredito · Crédito foto: Não Acredito

Goste/partilhe