Notícias : Os médicos amputam a perna deste menino. 4 dias depois, ao entrar no quarto, eles não conseguem segurar as lágrimas.

Os médicos amputam a perna deste menino. 4 dias depois, ao entrar no quarto, eles não conseguem segurar as lágrimas.

Um pequeno herói.

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
415 415 Partilhas

Os médicos amputam a perna deste menino. 4 dias depois, ao entrar no quarto, eles não conseguem segurar as lágrimas.

Dima Pavlenko, de 9 anos, costumava ter tudo o que uma criança feliz pode desejar: uma casa aconchegante, pais amorosos, uma avó coruja e uma irmã. Mas, num dia horrível, a alegre casa desta família foi destruída e desapareceu num piscar de olhos.

A guerra irrompeu na Ucrânia. A família de Dima mudou-se para a casa da avó, pois a cave de lá era maior e mais confortável para abrigar toda gente durante os bombardeamentos. Até mesmo ir ao quintal era perigoso. "Eu notei como, de repente, o meu filho amadureceu. Ele antes ficava sempre a jogar jogos de computador mas, quando a guerra começou na cidade, ele ficou sério e responsável, e nunca saia do lado da irmã. Se precisávamos ir ao quintal, ele insistia em ir primeiro para olhar ao redor", diz o pai de Dima.

Porém, naquele dia, ninguém poderia ter previsto a tragédia que se aproximava. Lá fora, tudo estava calmo, não se ouviam os sons da guerra. As crianças, Dima e Lera, podiam finalmente sair para brincar no quintal. Respirando o ar fresco, os dois corriam e sorriam. Lera estava distraída quando, de repente, ouviu o irmão a gritar: "Cuidado!!!". Dima viu a bomba a vir. Ele empurrou a irmã para o chão e cobriu-a com o próprio corpo, esquecendo da sua própria segurança. A violenta explosão aconteceu um segundo depois.

O pai de Dima correu para o jardim. No trajeto, ele ouviu os gritos desesperados do filho. "Eu fui a correr e vi que a perna tinha sido quase completamente arrancada... estava pendurada, em frangalhos", diz o pai. Entre gritos de dor, Dima perguntava insistentemente: "Ela está viva? Ela está a respirar? Ela está viva?". Enquanto sangrava, o menino não parava de perguntar sobre a irmã mais nova. E, graças a ele, ela não morreu.

O tio de Dima também correu para o quintal e "amarrou" a perna do menino com um pedaço de roupa. Então levaram as crianças para o hospital. No carro, Dima não parava de dizer o nome da irmã. Ele estava a perder muito sangue e a ficar cada vez mais pálido. Alguns minutos depois,  perdeu a consciência. Quatro médicos tentaram desesperadamente para salvar-lhe a vida. O cirurgião Vladimir Streltsov confessou que, nos 12 anos que pratica medicina, nunca tinha visto uma história como esta.

Todos no hospital rezaram por este pequeno guerreiro: médicos, enfermeiros, funcionários e pacientes. Os médicos explicaram aos pais de Dima que, se eles tentassem salvar a perna, havia a chance de uma infecção se espalhar para o resto do corpo. A única coisa a fazer era amputá-la.

Quando o menino finalmente acordou, seus pais foram autorizados a ir para ao seu quarto. Com medo, o pai tentou preparar o filho para a notícia devastadora de que havia perdido a perna. "Pai, eu já estou crescido", disse Dima. "Eu entendo. Quando é que vamos para casa?".

O pai olhou para longe, tentando esconder as lágrimas nos seus olhos. A família Pavlenko já não tinha uma casa para onde voltar, ela tinha sido bombardeada.

Mas a história de Dima não passou despercebida. Quando a notícia de que o menino precisava de uma prótese se espalhou, as pessoas começaram a doar-lhe dinheiro. Em apenas 3 dias, já tinham a quantia suficiente! Gente de toda parte sentiu compaixão por este pequeno herói. "Agora vamos orar por essas pessoas todos os dias", disse a família. "Eles oram por Dima, nós oramos por eles".

Em Mariupol, cidade natal de Dima, muitas pessoas inundaram o seu quarto no hospital com presentes e brinquedos. Além disso, a família Pavlenko recebeu um novo lar. Eles não poderiam estar mais agradecidos.

Dima agora já anda com a nova perna protética, feita sob medida. Ele está na fase final de adaptação e continua a fazer reabilitação no hospital. Os médicos dizem que, em breve, o menino será capaz de correr e poderá voltar para a sua vida normal.

Como pode uma criança tão pequena ter tanto altruísmo, bondade e coragem dentro do seu coração? Este menino enfrentou, de cabeça erguida, situações que teriam derrotado a maioria dos adultos. Se Dima também se tornou um exemplo para ti, partilha esta história com os teus amigos. Ele merece uma salva de palmas!

Partilhar no Facebook
415 415 Partilhas

Fonte: Naoacredito · Crédito foto: naoacredito

Goste/partilhe