Notícias : Intimidação leva menino de 11 anos a suicidar-se

Intimidação leva menino de 11 anos a suicidar-se

Intimidação leva menino de 11 anos a suicidar-se

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
0 0 Partilhas

Intimidação leva menino de 11 anos a suicidar-se

Diego, um menino espanhol de 11 anos, não aguentou mais o sofrimento de ser vítima de 'bullying' no colégio e pôs termo à vida. Saltou da janela de casa, um quinto andar, onde morava com a família, em Espanha. Aconteceu a 14 de outubro de 2015.

Na edição desta quarta-feira, o jornal 'EL Mundo' revela a carta que a criança deixou a justificar o suicídio e a pedir desculpa aos pais.

"Papá, mamã... espero que algum dia me possam odiar um pouco menos. Eu não aguento mais ir ao colégio e não há outra maneira para não ir", lê-se na carta de despedida. E acrescenta: "Papá, tu ensinaste-me a ser uma boa pessoa e a cumprir promessas (...). Mamã, tu cuidaste muito de mim e levaste-me a muitos sítios (...) Tata (irmã), aguentaste muitas coisas por mim e pelo papá. Avô, tu sempre foste muito generoso e preocupaste-te comigo."

Os pais de Diego não se conformam com a perda. Querem que sejam apuradas responsabilidades e pretendem que o colégio seja investigado.

A polícia descarta a hipótese de 'bullying', apesar de Diego referir na carta que não queria ir ao colégio, e apesar de existirem denúncias de outros pais. O caso foi arquivado.

Suspeita de abuso

No início de 2015, a criança ficou afónica durante quatro meses, situação que os médicos afirmam ter sido resultado de um impacto.

A mãe diz que este caso ainda está por explicar e acredita na culpa do estabelecimento de ensino. Segundo o advogado da família, Robinson Guerrero, um perito forense recolheu, no velório de Diego, indícios sobre suspeitas de abusos sexuais, mas garante que as amostras não foram analisadas.

Em 2010, uma aluna do colégio Nossa Senhora dos Anjos, no bairro madrileno de Villaverde, onde Diego estudava, também tentou suicidar-se. No seu diário, a menina explicava que era agredida e que os professores, além de saberem, consentiam. "Diziam que isso me fazia mas forte", lê-se no diário.

Partilhar no Facebook
0 0 Partilhas

Fonte: Correio da manhã

Goste/partilhe