Notícias : ​Ela voltou para ex por causa do seu filho, então ele tira-lhe a roupa e o que lhe faz é atroz.​

​Ela voltou para ex por causa do seu filho, então ele tira-lhe a roupa e o que lhe faz é atroz.​

Uma história horrível ...

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
2,150 2.2k Partilhas

Ela voltou para ex por causa do seu filho, então ele tira-lhe a roupa e o que lhe faz é atroz.

Paola Mascambruni é uma mulher de 38 anos de idade, da Argentina. Mãe de quatro filhos, ela viveu a realidade de muitas mulheres no mundo: a violência doméstica. Há alguns dias, uma foto dela desfigurada tornou-se viral na Web ... 

Em 2009, Paola conheceu  Rodrigo Eduardo Picolini, um colega da Aerolineas Argentinas. Foi amor à primeira vista e o início de uma relação estável. Rapidamente ela ficou grávida de um menino, Valentino. Foi durante a gravidez que Rodrigo se tornou violento.

Quando ela estava grávida de dois meses, ele atirou-lhe uma cerveja. Um dia, enquanto estavam num shopping, ele estava muito irritado com ela, e mordeu-lhe o rosto. Ele pediu desculpas e prometeu que não o voltaria a fazer. Paola confiou nele, e permaneceu com ele para o bem do bebé. Seis meses depois, ele atirou-a na cama e bateu-lhe no rosto. Paolo decidiu separar-se nesse dia.

No dia do nascimento, Rodrigo queria acompanhar Paola e conhecer o seu filho, ela estava, no entanto, feliz com a sua presença. Na sala de parto, ele começou a ser violento e o pessoal expulsou-o.

Paola, queria esquecer e cortar os laços com Rodrigo. Ela conheceu outro homem, que amava o seu filho como se fosse dele, até que o relacionamento termina. E vendo que Valentino precisava de um pai, ela retomou o contato com Rodrigo para o seu bem. 

Rodrigo começa a visitar o filho, compra-lhe coisas e leva-o a dar caminhadas. Tudo estava bem aparentemente. Em maio de 2016, a família reuniu-se para jantar e, em seguida, decidiu que valia a pena tentar ser uma família novamente. O fim de semana seguinte, Valentino chegou a casa a dizer que o pai lhe tinha batido no rosto e no estômago. "Eu liguei-lhe para pedir explicações, o que conduziu a mais violência. Ele veio saquear-me a casa, derrubou a cerca com o seu carro e ameaçou-me com uma arma ", diz Paola.

Desta vez, ela contatou a polícia e nunca mais o viu até que ele teve um acidente de moto em Dezembro. De acordo com Rodrigo, este acidente foi o karma e ele disse que estava pronto a mudar porque esteve perto de morrer. Paola acreditou na sua sinceridade e nas suas lágrimas, e aceitou-o de volta com eles. 

No dia 16 de março, Rodrigo voltou para casa, mas parecia muito estranho. Quando Paola se riu Rogrido ficou irritado e o pesadelo recomeçou.

"Ele fechou as portas, e despiu-me. Ele seguro-me pelos ombros e partiu uma janela com as minhas costas. Ele começou a dar-me pontapés e a bater-me. Ele tentou estrangular-me e chamou-me de prostituta. Pedi-lhe para se acalmar. Eu disse, 'Rodrigo, não me mates, por favor. "Ele disse que me ia matar." A violência durou duas horas. 

Paola tentou fugir rastejando e gritando por socorro. Ninguém a ouviu. Ela conseguiu abrir a porta, mas Rodrigo agarrou-a e começou a bater-lhe. Ela finalmente escapou da casa, saltou a cerca e pediu ajuda na rua. A polícia foi contactada e veio rapidamente.

Paola teve uma fratura no crânio, vasos sanguíneos nos olhos derramaram, hematomas por todo o corpo, trauma nasal e dentes soltos. Ela acredita que tem sorte de estar viva. Rodrigo, está na prisão. Agora ela percebe que o homem que ela tinha caído de amores era um verdadeiro psicopata violento e incapaz de amar. 

Ela postou fotos do rosto desfigurado há alguns dias para alertar outras mulheres. Apesar das suas promessas, das suas lágrimas, dos seus presentes, homens abusivos geralmente não mudam e manipulam tudo à sua volta.

A violência doméstica afeta demasiadas mulheres que se escondem em silêncio e se escondem debaixo de roupas e maquilhagem. E muitos delas acabam por morrer. Devemos denunciar antes que seja tarde demais.

Partilhar no Facebook
2,150 2.2k Partilhas

Fonte: Ayoye · Crédito foto: Ayoye

Goste/partilhe