Notícias : ​Ela abre a carteira para dar uma esmola a um sem-abrigo, um mês depois, ela é incapaz de se ver ao espelho!

​Ela abre a carteira para dar uma esmola a um sem-abrigo, um mês depois, ela é incapaz de se ver ao espelho!

Horripilante!

Partilhar no Facebook
454 454 Partilhas

Ela abre a carteira para dar uma esmola a um sem-abrigo, um mês depois, ela é incapaz de se ver ao espelho!

Katie Piper era uma jovem inglesa que tinha tudo aquilo que se deseja: a sua vida era feliz, tinha tido uma infância tranquila, estava a lutar pelos seus sonhos de trabalhar como modelo, e além disso, era linda.  Mas tudo isso iria mudar num piscar de olhos.

Começava o ano de 2008 e a jovem recebia convites constantes dos homens para sair, mas ela não se interessava por nenhum: irritava-lhe o facto de todos a verem como um "troféu" por ser bonita. Mas um dia, um jovem de 28 anos chamado Daniel Lynch escreveu-lhe uma mensagem pelo Facebook. Embora não o conhecesse pessoalmente, tinham muitos amigos em comum, então decidiu responder-lhe.  

Daniel foi o primeiro homem que a contactou e não só era bonito, como também era inteligente e tinha os pés assentes na terra. Conheceram-se pessoalmente num clube de Londres e deram-se bem imediatamente. Daniel era tão atencioso e cavalheiro, que Katie ficou entusiasmada. Na semana seguinte continuaram a sair juntos, almoçavam, iam às compras, ele enviava-lhe mensagens e ligava constantemente. 

Alguns dias depois, Daniel confessou que estava apaixonado. Katie achou um pouco estranho e começou a perguntar-se quantas das coisas que lhe tinha contado seriam mesmo verdade. As dúvidas foram aumentando com os dias, porque nada daquilo que lhe dizia ou fazia ia de encontro com aquilo que ela via. 

Pouco a pouco, começou a notar que Daniel reagia violentamente a qualquer pequeno problema. Katie contou aos seus amigos, os quais recomendaram-lhe que deixasse de o ver. Afinal, apenas estavam a sair há duas semanas. Katie decidiu pôr fim à relação após o último encontro que teriam juntos. Mas era tarde demais.

Nessa noite, como tinham bebido um pouco de vinho, Daniel sugeriu ir para um hotel para que Katie não conduzisse. Mas quando ela lhe disse que não estava disposta a ter relações com ele, tudo explodiu: começou a gritar com ela, acusando-a de não querer estar com ele. Segundos depois, empurrou-a com toda a força contra a porta e Katie viu tudo a desmoronar-se. 

"O homem que supostamente seria meu namorado tinha-me atacado. Toquei no meu pescoço e senti sangue", disse Katie no seu livro autobiográfico “Beautiful”. Ela implorou-lhe que a levasse ao hospital, mas, em vez disso, Daniel levou-a para a cama à força e violou-a. Em seguida fez-lhe diversos cortes nos braços com uma faca e ameaçou que a pendurava na porta até morrer.  

De uma forma ou outra, Katie conseguiu que Daniel não a matasse. Em vez disso, levou-a para casa, ameaçou-a para que não contasse nada a ninguém, e em seguida saiu. Em casa, Katie pediu aos seus amigos que a levassem ao hospital, mas não denunciou Daniel. Estava aterrorizada e sabia que ele era capaz de matar os seus amigos ou parentes, caso fizesse alguma coisa. 

Durante os dias seguintes, o homem que outrora se tinha apresentado como carinhoso e boa pessoa, controlava agora todos os seus movimentos. Ele ligava-lhe constantemente para saber o que estava a fazer e onde se encontrava. Dois dias depois do ataque, Daniel disse-lhe para ler um e-mail que enviou a explicar tudo e que, além disso, tinha um presente para ela. Como Katie não tinha internet em casa, obrigou-a a ir a um cibercafé. 

Quando Katie atravessava a rua em direção ao café, viu um homem com aspeto de mendigo que carregava uma chávena de café nas mãos. Triste com a sua situação, pegou na carteira e deu-lhe algumas moedas. Então, o homem despejou-lhe o conteúdo da chávena na cara.  

"Por um momento, não percebi o que tinha acontecido. Em seguida, a dor fez-se sentir: uma explosão de agonia, diferente de tudo o que tinha vivido antes. Espalhou-se pelo meu corpo como fogo. Conseguia sentir o meu rosto a arder, tão quente que pensei que ia explodir em chamas". 

O homem que a atacou fugiu imediatamente. Daniel tinha-o enviado para dar o presente que tinha referido a Katie: ácido sulfúrico que deformou o seu lindo rosto.  

Enquanto sentia a sua pele a derreter como a cera de uma vela, Katie gritou aterrorizada e entrou a correr no cibercafé. Uma hora depois, chegou a ambulância que a levou para o hospital. As suas queimaduras de terceiro grau tinham-lhe desfigurado completamente a sua pele, cegando um dos olhos e destruindo a sua boca e esófago. Além disso, apresentava várias queimaduras noutras partes do corpo, por onde o ácido tinha escorrido. 

No hospital, Katie estava em coma induzido há 12 dias. Durante esse tempo, realizou-se uma operação para mudar completamente a pele de todo o seu rosto. Essa seria a primeira de mais de 300 operações que lhe fizeram, para tentarem reconstruir o seu rosto.

Katie tinha perdido o seu emprego, o seu rosto, a sua dignidade. Tinha sido violada de todas as maneiras possíveis que um ser humano pode ser ultrajado, e agora nem sequer conseguia olhar-se ao espelho. Mas o destino de Katie não era manter-se para sempre na miséria. Em 2009, Katie decidiu que a sua experiência horrível poderia ajudar os outros: "Decidi ser uma sobrevivente. Adoro as minhas cicatrizes, porque deram-me a minha nova vida".

As palavras de Katie são inspiradoras. Muitas vezes fazemos um drama terrível com coisas que não são nem metade do terrível daquilo que aconteceu a esta mulher. Hoje, recuperou a sua vida e o seu trabalho. Além disso, é casada e tem uma filha. Partilhou a sua experiência em documentários e livros e ajudou muitas pessoas que se encontravam em situações semelhantes.   

Daniel Lynch foi condenado a prisão perpétua e o homem que lhe despejou o ácido, Stefan Sylvestre, recebeu uma sentença de 16 meses. Conseguiram capturá-los graças às queimaduras que também afetaram Sylvestre e um vídeo de segurança local.

Katie tornou-se um exemplo e um modelo a seguir para as mulheres que foram atacadas pelos seus parceiros, como para vítimas de ataques de ácido em geral. É uma celebridade no seu país e conseguiu seguir em frente e ser fabulosa novamente, graças à sua incrível autoconfiança. A sua força mental é invejável! 

A terrível história de Katie também serve de precaução. É necessário saber como interpretar os sinais iniciais de um relacionamento abusivo ou de uma pessoa violenta. Katie, por sorte, conseguiu sobreviver, e provavelmente isso ocorreu para nos servir de exemplo e porque o seu trabalho neste mundo ainda não estava concluído. 

 

Mas nem todas as histórias de violência contra as mulheres têm um final feliz. Se não nos afastarmos rapidamente, podemos acabar por pagar caro. A história de Katie é uma história de superação, mas também um grito de aviso para aqueles que descobrem que o seu parceiro, seja masculino ou feminino, está a agir de uma forma completamente contrária ao amor. Se estiver num relacionamento abusivo, não se esqueça de procurar ajuda logo que possível junto dos seus amigos, família ou mesmo da polícia.

Partilhar no Facebook
454 454 Partilhas

Fonte: Ayoye · Crédito foto: Ayoye

Goste/partilhe