Notícias : ​A mãe descobre que dois homens estranhos estavam a seguir os seus filhos no IKEA. Então, ela lança este aviso de congelar o sangue.

​A mãe descobre que dois homens estranhos estavam a seguir os seus filhos no IKEA. Então, ela lança este aviso de congelar o sangue.

Todos os detalhes no interior ...

Partilhar no Facebook
9,820 9.8k Partilhas

A mãe descobre que dois homens estranhos estavam a seguir os seus filhos no IKEA. Então, ela lança este aviso de congelar o sangue.

Diandra Toyos é uma mãe que vive na Califórnia.

Bem recentemente, Diandra estava a fazer compras no IKEA com as suas crianças, quando sentiu que algo não estava bem.

Então, depois de observar à sua volta durante alguns minutos, a mãe percebeu com horror que dois desconhecidos pareciam estar a seguir os seus filhos.

Agora, veja o aviso de congelar o sangue que a mãe publicou depois de voltar da loja:

“Li recentemente uma publicação que se tornou viral, escrita por uma mãe que eu não conheço. Ela descreveu algo que lhe aconteceu enquanto fazia as suas compras no Target. Ela e a sua filha foram escolhidas por traficantes de seres humanos. Ela explica que foi o que lhe disseram, quando reportou o incidente à polícia – que esses grupos normalmente trabalham dessa forma.

Quando leio coisas do género, digo sempre: Uau, isso é assustador... tenho que ter cuidado.

Mas nunca pensou que me poderá acontecer a mim.

Mas... foi isso que me aconteceu.

Há uns dias, eu e a minha mãe fomos com os meus filhos (tenho 3, uma filha de 4 anos, um filho com 1 ano e meio, e outro com 7 semanas) ao IKEA. Gostamos de lá ir, e é agradável ter as crianças fora de casa! Fomos lá especificamente ver sofás. Estávamos então na seção dos sofás e as crianças estavam a divertir-se a subir aos sofás para os experimentar. A minha filha queria convencer-nos a comprar um que ela gostou. O meu filho mais velho estava a passear de um sofá para o outro, sentando-se em todos. O meu bebé estava aninhado contra mim, a dormir. Depois de alguns minutos, reparei num homem bem vestido, de meia idade, que andava por ali, aproximando-se de mim e dos meus filhos. A certa altura, ele aproximou-se bastante de nós e, instintivamente, meti-me entre ele e os meus filhos.

Tinha um mau pressentimento.

Ele continuou a andar por aquela zona, a olhar para os meus filhos. Ele pegava numa coisa ou noutra, e fingia estar a olhar para os sofás mas dava para perceber que era a nós que ele estava mesmo a observar. A minha mãe também reparou nele e disse-me que era preciso ficar de olho nele.

Nós continuamos a andar... e ele também. Bem perto.

O meu filho tinha andado até uma das zonas de exibição em frente aos sofás e eu segui-o com o meu bebé nos braços. A minha mãe disse-me que o homem deixou imediatamente de fazer o que estava a fazer para rapidamente nos seguir. Ela reparou também noutro homem na casa dos 20, vestido de uma forma mais discreta. Ele não nos estava a observar mas andava como o outro, à volta e atrás de nós.

A minha mãe e eu decidimos nos sentar e esperar que eles fossem embora. Tínhamos a impressão que algo de errado estava a acontecer, mas também tínhamos esperança que na verdade não se passasse nada. Então, sentamo-nos num dos quartos de exibição mais pequenos. Durante cerca de 30 minutos. E eles também se sentaram. Sentaram-se num dos sofás em exposição. Foi nesta altura que nos apercebemos que a nossa intuição tinha razão e que algo estava verdadeiramente errado. Eles sentaram-se enquanto nós nos sentamos, e levantaram-se quando nós nos levantamos.

Nós continuámos a andar e a minha mãe, ao virar-se, deu conta que os dois homens estavam agora no sofá mais perto de nós, virados na nossa direção. O mais velho ainda estava a olhar para nós. Ela olhou-o fixamente nos olhos... de uma forma bem clara, para que eles soubessem que já os tínhamos visto. E continuamos.

Conseguimos despistá-los naquela altura. (Falámos com um empregado, voltámos, fomos à casa de banho e dirigimo-nos a outra seção). Com as crianças sempre perto de nós. Mantive o bebé encostado a mim e as mãos e os olhos livres. Felizmente não tive que vigiar o carrinho E dois bebés... só tive que vigiar os dois mais velhos. Quando chegámos ao fim do labirinto do IKEA, comunicámos a ocorrência à segurança.

Depois de ter explicado o que nos aconteceu, tenho que sublinhar algumas coisas:

  • Aqueles homens não estavam a fazer compras. Enquanto andavam pela loja, nem olham para os objetos... com olhos de ver. O homem mais velho examinava de vez em quando alguma coisa, ou pelo menos fazia de contas, mas na verdade estava a olhar através dessa coisa e na minha direção e dos meus filhos. Depois, posava o objeto e seguia atrás de nós.
  • Eles não estavam à espera de ninguém. Muitas vezes veem-se homens no IKEA sentados à espera das suas mulheres, mas estes pareciam estar sozinhos. Nem falavam. Não falavam com ninguém. Não se riam para as pessoas (de facto, quando olhei pela primeira vez para o homem mais velho e ele se aproximou de nós, sorri para ele... é algo que faço regularmente quando saio de casa... estabeleço sempre contato visual com as pessoas, mas ele desviou o olhar imediatamente. Isso achei logo estranho).
  • Eles estavam bem vestidos, mas de formas muito diferentes. Nunca imaginaria que estariam juntos, E eles não pareciam mesmo estar juntos.
  • A zona onde eles estavam tinha uma saída de emergência. O IKEA é um labirinto enorme e eles poderiam ter utilizado essa saída com um dos meus filhos e entregá-lo a alguém que estivesse à espera na rua, e fugir de seguida antes que os pudesse encontrar.

Algo não estava bem. Nós sentimo-lo. Tenho quase a certeza que fomos alvos de uma tentativa de rapto. Isto acontece em todo o lado. Incluindo em Portugal. Acontece mesmo à frente dos nossos olhos. Cada vez leio mais sobre acontecimentos destes e é assustador. Se este não era o caso, então outra coisa do género estava a ser preparada. De qualquer das formas, na qualidade de pais, temos a necessidade de saber.

Por favor, por favor, tenha cuidado extra quando está com os seus filhos. Não é uma boa altura para mandar SMS, ir ao Facebook ou falar ao telemóvel. Quando se está num sítio público com as suas crianças, há que estar vigilante para que nada de mau aconteça.

Confie no seu instinto. Se ele existe, é por uma boa razão. ”

Ainda bem que Diandra estava atenta, porque aquela volta às compras poderia ter adquirido um contorno completamente diferente!

Obrigado à Diandra por partilhar este importante aviso.

Partilhar no Facebook
9,820 9.8k Partilhas

Fonte: Trop Cute · Crédito foto: Trop Cute

Goste/partilhe