Notícias : 10 frases que usas com os teus filhos e nem sabes o mal que lhes faz!!​

10 frases que usas com os teus filhos e nem sabes o mal que lhes faz!!​

Nunca lhes digas ISTO!

Partilhar no Facebook
598 598 Partilhas

10 frases que usas com os teus filhos e nem sabes o mal que lhes faz!!

A psicóloga familiar Svetlana Merkulova acredita que até mesmo uma frase sem importância, mas dita sem pensar, pode afetar a saúde mental de uma criança. Por isso, na hora de te comunicares com o teu filho é necessário escolheres cuidadosamente as palavras. Tem coisas que não vale a pena falar.

“Quando eu tinha a tua idade, ia muito bem na escola!“

Do nascimento aos 6 anos, pai e mãe são deuses para o filho, sabem de tudo e podem tudo. A frase acima pode ser interpretada como se o pai estivesse a competir com o filho. É como se dissesse: ” nunca serás como eu, não importa o quanto tentes. Sou melhor do que tu!“. Crianças que crescem num ambiente assim geralmente vivem a querer mostrar à sua família que são bons. E, claro, dizer essas coisas estimula a parte narcisista da mente da criança. Isso a faz tentar alcançar certas metas, mas até aí nada fora do normal. O problema é que no fim ela não estará fazendo isso para si, mas para agradar a mãe ou pai, com o propósito de lhes mostrar que finalmente é digna deles. Quando adultas, não serão capazes de se satisfazer com suas conquistas e a alegria só aparecerá se os pais reconhecerem os seus êxitos, o que será muito pouco provável.

“Meu xodozinho, meu pituquinho, meu quiquinho… ”

De quantas coisas os pais amorosos chamam seus filhos? Mesmo que a intenção não seja má, todos esses apelidos despersonificam o filho. É como se ele não existisse e, em seu lugar, houvesse um animalzinho ou brinquedo com o qual se pode fazer o que quiser. Durante os primeiros anos de vida, o teu filho aceitará incondicionalmente toda e qualquer coisa que disseres, simplesmente porque confia em ti. O nome de uma pessoa é sua representação diante do mundo. Em algumas famílias ocorre que o nome da criança vai se modificando com o tempo e acaba dando lugar a certos apelidos ’simpáticos’. O nome deve estar sempre em primeiro plano pois é ele que nos permite sentir que somos seres completos com identidade própria. Se chamas o teu filho ou filha de xodozinho, chiquitinho, pituquinho, estarás a tirar dele um pedaço do seu ’eu’.

”A Laura tirou 20 no teste, mas tu só tiraste 12“
A maioria dos pais faz tudo com a melhor das intenções. Talvez eles mesmos tenham tido uma experiência similar na infância e, por isso mesmo, pensam que não há problema em dizer isso, já que foi dito a eles também e não os afetou. Acontece que, como a tua infância já foi há muito tempo, eles conseguiram ’esquecer’ a dor de quando o pai e mãe lhes rejeitou, dizendo: ”Aquela criança é melhor do que tu!“. Suportar algo assim na verdade causa muita dor, que por vezes acompanha as crianças até a vida adulta (além de gerar um ódio imediato pela tal de ’Laura’). A criança sempre se sente mal quando a comparam com algum colega da escola, ou com seu irmão ou irmã, e ao crescer, ela continuará se comparando com os outros, nunca a seu favor.

“Já que és mal comportado, não te amo mais!”

Ou melhor dizendo: “Só te vou amar se fizeres o que eu disser!“. Depois de uma frase dessas a criança começa a se esforçar o mais que pode para agir ’corretamente’ e acaba deixando de lado até as suas necessidades e desejos. Ela desenvolve então um tipo de ’antena’ que detecta a vontade dos pais e, no fim, a criança como tal deixa de existir. Chegando à vida adulta ela tratará de satistazer os outros, inconscientemente vivendo sob o princípio de: ”Quero que me amem e para tanto devo ser agradável e satisfazer. Ao invés de dar ouvidos aos meus próprios desejos buscarei satisfazer os dos outros”.

“Não me envergonhes à frente dos outros!”

Isso é o mesmo que dizer à criança: “Vai em frente, envergonha-me!“. Crianças que ouvem esse tipo de frase frequentemente vão querer que as pessoas vejam quem elas são de verdade, mas, curiosamente, quando finalmente recebem tal atenção, não sabem o que fazer com ela: escondem-se, fecham-se, desaparecem. É como se elas não tivessem outra opção, senão ser a vergonha de alguém. ”tu me envergonhas“ são três palavras-chave para traumatizar o teu filho.

“És igual ao teu pai!”

Quando dita como comparação para características de que não gostamos, essa frase reflete uma crise entre pai e mãe. Se não conseguem resolver os seus problemas diretamente, eles enviam mensagens um ao outro por meio do filho, dizendo-lhe alguma barbaridade. Se a mãe diz ” és tão teimoso como o teu pai!“, significa que o pai é uma pessoa má e que não se pode entrar em acordo com ele. Quando problemas conjugais se projetam sobre a criança, ela certamente os viverá também. Pais separados costumam se valer desse tipo de manipulação quando há uma competição pela criança, que acaba tendo de escolher com quem viver ou passar o tempo. E isso traumatiza.

”Se não comeres essa sopa, vais ficar burro e fraco!”

Tive uma conhecida a quem foi dito na infância: “Se não comeres esse pão, ele vai correr atrás de ti à noite!”. Ainda que pareça engraçado, ela tinha medo do pão. Ou seja, seus pais conseguiram exatamente o contrário do que queriam. Frases como essa são pura manipulação e com muita frequência são usadas por avôs e avós que passaram fome na infância; é como transmitir um trauma de geração em geração.

“Se te comportares mal, vou chamar o bicho papão!“

Dizeres isso, dás a entender ao teu filho que ele não deve ser ele mesmo, mas sim alguém que se ajuste por completo a expectativas que em muitos casos são irrealizáveis. E não é só isso. Mostra que os pais não são confiáveis. Imagina que quem deveria protegê-lo pode entrega-lo a uma criatura desconhecida e horrível. Na idade adulta, essas crianças acharão difícil confiar nos outros, não saberão o que querem da vida e a passarão o tempo todo a tentar agradar a todo mundo.

”Vais ver só quando chegarmos em casa!”

Essa dá a entender que os pais têm direito fazer “o que vier na telha” com seu filho ou filha sem importar o que ele ou ela sinta. Num piscar de olhos um pai amoroso se transforma num carcereiro que pode castigar ou perdoar. A criança que ouve com frequência esse tipo de frase costuma ter dificuldade de se relacionar com seus chefes na vida adulta, já que a figura de chefe coincide afinal com a de progenitor, e assim, ela agora adulta terá medo dos seus superiores e tentará satisfazê-los de todo o jeito para evitar ser castigada. Geralmente, chefes percebem isso rapidamente e se aproveitam.

“Sai daqui! Não te quero ver, nem te ouvir!“

Tradução: ”arruinaste a minha vida, desaparece daqui! Nem deverias existir!”. Como consequência, a criança viverá com um profundo sentimento de culpa ante seus pais por haver ’arruinado’ a vida deles. Se sentirá constantemente rejeitada pelos demais.

Devemos ser muito cuidadosos com este tipo de frase, pois os filhos podem carregar o peso delas por toda a vida! Por isso, antes de dizeres qualquer coisa ao teu filho, pensa bem. Poucos adultos são conscientes do que dizem. Experimenta gravar o que dizes enquanto estás em companhia dos teus filhos, depois ouve e presta atenção às palavras. Tenho a certeza de que com isso vais descobrir muitas coisas, algumas das quais podem ser um pouco desagradáveis.

Partilhar no Facebook
598 598 Partilhas

Fonte: altamente.org · Crédito foto: altamente.org

Goste/partilhe