Imagens : ​16 fotos de máquinas de tortura antigas que te vão impedir de dormir esta noite! Meu Deus!​

​16 fotos de máquinas de tortura antigas que te vão impedir de dormir esta noite! Meu Deus!​

Estou com suores frios.

Publicado por Vamos lá Portugal em Imagens
Partilhar no Facebook
84 84 Partilhas

16 fotos de máquinas de tortura antigas que te vão impedir de dormir esta noite! Meu Deus!

Introdução

AIdade Média não foi um bom momento para se viver. 

Havia muitas doenças e liberdade era um conceito praticamente desconhecido. 

Além disso, a conhecida “Idade das Trevas” ficou marcada pela invenção de alguns dos instrumentos de torturas mais assustadores da história.

Nomeada de era de ouro da tortura, decidimos listar as principais técnicas criadas no período da Idade Média. Mas cuidado, as descrições podem ser um tanto desgastantes.

A Tortura do Caixão

A Tortura do Caixão (The Coffin Torture): Era temida por toda a Idade Média. Bastava um olhar para o objeto na fotografia e você perceberá a
razão de tal medo. 

A vítima era colocada dentro do "caixão" e lá permanecia o tempo que os torturadores achassem necessário, geralmente, até a morte por inanição ou desidratação. Às vezes adicionava peso à pessoa, ou até mesmo fazia‐se um "caixão" menor do que o normal para deixar as vítimas em situações bem  desconfortáveis. Câimbras e dormências musculares conviviam harmonicamente com a sede e a fome.

O período de tempo que uma vítima era mantida dentro do caixão era determinado pelo seu crime. Crimes muito graves, como a blasfêmia, eram punidos com a morte dentro do caixão, onde a vítima era conservada ali dentro, sob o sol e/ou com animais famintos para comer sua carne. 

O “caixão” às vezes era exposto em uma praça pública para que a população local pudesse se reunir em torno dele e zombar da infeliz vítima. Às vezes, a morte ocorria por agressão física da própria população local que jogavam pedras e outros objetos contra o prisioneiro.

O Berço de Judas

O Berço de Judas é conhecido como um dos mais terríveis aparelhos de tortura da Era Medieval. Tal objeto consista numa espécie de assento em formato de pirâmide, onde a vagina ou o ânus da vítima era colocado na ponta, de modo que esta fosse escorregando para a base que por ser mais larga, dilataria e rasgaria órgão da mesma causando dores insuportáveis.

Muitas das vezes os torturadores adicionavam pesos à perna da vítima para acelerar o processo, ou então lubrificavam o assento piramidal com óleo. Os pesos também eram utilizados para fazer a vítima confessar algo importante. Quando desejavam que a vítima não morresse rapidamente suspendiam a mesma durante a noite e voltavam à sessão no dia seguinte.

Como a morte no Berço de Judas era muito lenta, a vítima tinha fortes possibilidades de adquirir infecções, já que o aparelho nunca era lavado. Hemorragias também eram constantes.

Normalmente a vítima era colocada no Berço nua, para aumentar ainda mais a humilhação e o constrangimento da mesma.

Uma técnica semelhante ao Berço de Judas é a empalação, que pode ser considerada igualmente dolorosa. 

Tortura da Serra

Tortura da Serra (Saw Torture):

A Serra foi amplamente aplicada na tortura mediévica, principalmente pela praticidade, por todas as casas terem uma serra e por não exigir dispositivos complexos.

Desta forma a serra era uma forma barata e rápida de ser torturar e matar uma vítima que muita das vezes era acusada de: roubo, adultério, assassinato, blasfêmia, calúnia e bruxaria. 

A vítima era amarrada de cabeça para baixo, de preferencia nua e com as pernas abertas. Desta forma o sangue era deslocado para os membros superiores, e o indivíduo poderia ser serrado ao meio, a partir da virilha sem perder muito sangue.

Dependendo do objetivo do torturador, tal método poderia durar várias horas. Quando buscava‐se a confissão de alguém, geralmente pegavam um ente desta pessoa e submetia‐o à serra. Caso ela não confessasse, a vítima seria cortada pela metade lentamente.

Com a Inquisição, este método se tornou ainda mais comum, pois os inquisidores viajavam entra várias aldeias e cidades, muitas vezes sem instrumentos, que eram um cargo a mais, e utilizavam o que estivesse à sua disposição. Como quase todo mundo tinha uma serra, esta seria o instrumento.


O Balcão da Tortura

O Balcão da Tortura (The Rack Torture):
O balcão é considerado um dos mais dolorosos mecanismos de tortura de toda a história. Ele consiste numa grande mesa de madeira com diversas cordas e correntes, utilizadas para prender a vítima à placa de madeira.

A vítima era colocada deitada sobre a mesa e tinha as mãos e pés amarrados às cordas. Estas cordas por sua vez tinha a outra extremidade presa a uma roldana ou maçaneta giratória. O único trabalho do torturador era girar uma alavanca que ia recolhendo as cordas e puxando os membros da vítima.

Os estalos de ossos deslocados aliados aos gritos da vítima eram os dois sinais de que tortura estava dando certo. Muitas não resistiam à dor e confessavam. Outros morriam ali mesmo. Os mais resistentes e persistentes sofriam ainda mais, pois tinham de sentir seus membros serem arrancados pela força da
corda.

Muitas vezes uma vítima era forçada a ver a outra sendo torturada para que o medo a fizesse contar tudo antes mesmo de ir para a máquina.

Muitos cavaleiros da Ordem dos Templários foram torturados pelo “Rack”.

Já no fim da Idade Média, surgiram algumas variações desse dispositivo. Alguns possuíam espinhos que penetraram costas da vítima ‐ como os membros foram separados ‐ a sua medula espinhal se tornava a nova fonte de dor, não só física, mas psicológica também. Na menor das hipóteses a pessoa ficaria deficiente para sempre.

O Corta-Joelhos

O Corta-Joelhos

Os joelhos do acusado eram colocados no meio dessas garras, para serem esmagados lentamente. Às vezes, o aparelho – um dos preferidos pelos espanhóis – era aquecido, para aumentar a dor da vítima. Outras partes do corpo eram colocadas nas garras, como os pulsos, cotovelos, braços, ou as pernas. A idéia era inutilizar as articulações da vítima, ou o método servir como o início da tortura, visto que não era mortal em grande parte dos casos.

O Burro Espanhol

O Burro Espanhol

A vítima era posta nua sobre um cavalete de madeira em forma de 'V'. A parte mais aguda ficava entre as pernas. Pesos eram presos em seus pés e ela ia, aos poucos, sendo cortada ao meio.


A Pêra

A Pêra
Este era o instrumento favorito a ser usado contra adúlteras e homossexuais. 

Este aparelho era inserido no ânus ou na vagina (ou boca, se ele fosse um mentiroso) da vítima e através daquele engenho na ponta, ele se abria em duas partes ou mais partes, dilacerando o interior do inquirido. 

Raramente levava a morte, mas na verdade ela era, geralmente, apenas o início das dores do acusado.

O Garfo dos Hereges

O Garfo dos Hereges

O Garfo dos Hereges era um aparelho de tortura especial reservado aqueles que discursavam contra a Igreja Católica durante a Idade Média. Com duas extremidades pontiagudas, o aparelho era preso ao pescoço da vítima e removido somente depois que ela disesse as palavras “Eu retiro o que disse”.

Tortura dos Ratos

Tortura dos Ratos

Também conhecida por aquela cena de Game of Thrones, a tortura dos ratos era popular na Alemanha medieval e na antiguidade da China. Neste método, um recipiente com ratos famintos era colocado sobre a barriga da vítima. 

Enquanto o recipiente era aquecido lentamente, os ratos aflitos começavam a roer qualquer coisa que estivesse em seu caminho. Quem poderia culpá-los?


A aranha espanhola
A aranha espanhola: 

Este instrumento horrível era usado quente. 

Este ferro dentado era colocado num monte de brasas até que ficasse incandescente. Ele era então usado para dar um “beliscão” no peito das mulheres que foram acusadas ??ou condenadas por adultério, aborto ou qualquer outro crime, como ser bruxa. A aranha arrancava o seio da pessoa.

A manivela intestinal

A manivela intestinal: Método bastante usado na época medieval para coletar informações de criminosos, mas ninguém sobreviveu. A vítima, consciente, era amarrada a uma mesa, onde é feita uma incisão no seu abdômen larga o suficiente para caber a mão do torturador dentro. Com um gancho o intestino delgado é separado do fundo do estômago e ligado a uma manivela. 

Lentamente, a manivela retira de 3 a 6 metros de intestino (tamanho médio do intestino humano), centímetro por centímetro. Durante todo o processo a vítima estava consciente. A morte, que não era imediata, era causada por uma combinação de dor extrema e perda de sangue.

Tortura pela água

Tortura pela água: Nos países católicos na idade média, existia a crença que a alma dos hereges e das bruxas estava corrompida e possuida pelo diabo. Optava-se então pela limpeza da alma antes do castigo (que seria a morte). A vítima seria amarrada a um banco ou mesa, e um funil ou algo semelhante seria introduzido na sua boca sendo então obrigada a ingerir vários líquidos a ferver: água a escaldar, fachos escaldantes, até mesmo sabão. A tortura pela água, era a consequência que um suspeito sofria caso não confessasse num interrogatório. Ele seria obrigado a ingerir grandes quantidades de água até o seu estômago atingir enormes proporções, causando grande agonia, até confessar, ou então eventualmente até a água atingir os pulmões acabando por o afogar.


Empalamento

Empalamento

Drácula, ou Vlad, O Empalador; foi o inventor desse aqui, na Romênia do século XV, de acordo com a tradição. A vítima era colocada sobre uma estava grande e pontuda. O tempo entre o início da punição e a morte, levava em torno de três dias. 

Alguns carrascos tinham cuidado para que a estaca entrasse no ânus e só saísse acima do queixo da vítima, o que aumentava a dor da vítima. Acredita-se que Vlad fez isso em torno de 20.000 a 300.000 vezes.


 O Esmaga Cabeças

 O Esmaga Cabeças

O Esmaga Cabeças, mais um artefato extremamente brutal

Altamente utilizado durante a Inquisição Espanhola, o Esmaga Cabeças – como ficou conhecido – era capaz de causar dores e danos irreparáveis. O instrumento consistia em um capacete ligado à uma barra onde se apoiava o queixo da vítima. Depois disso, o parafuso apertava o capacete comprimindo a cabeça da vítima.

Com isso, os torturadores conseguiam destruir as arcadas dentárias e as mandíbulas. E caso a tortura não parasse, os globos oculares saltavam dos olhos e o cérebro saía despedaçado pelo crânio.

Arrancador de língua

Arrancador de língua

Parecendo tesouras de grandes dimensões, pode facilmente cortar a língua da vítima. 

A boca era forçada a abrir com um dispositivo chamado abridor de boca, e então o ferro arrancador de língua faria desconfortavelmente a contração da língua, com suas garras ásperas. 

Uma vez que uma colocado, o parafuso seria bem apertado e a língua da vítima seria quase arrancada.

A Roda da Tortura

A Roda da Tortura

Roda da Tortura fazia com que pessoas tivessem seus membros quebrados em praça pública 

Conhecido por sempre matar a vítima de forma bem lenta, essa era a Roda da Tortura. Com os membros presos em uma roda de madeira, as pessoas viam seus braços e pernas serem atingidos pelos torturadores com grandes martelos de metal. Depois disso, eram pendurados – ainda na roda – em praça pública, para que animais se alimentassem das vítimas vivas.

Partilhar no Facebook
84 84 Partilhas

Fonte: http://www.ayoye.com/images/16-photos-de-machines-de-torture-ancestrales-qui-vous-empecheront-de-dormir-cette-nuit-omg · Crédito foto: http://www.ayoye.com/images/16-photos-de-machines-de-torture-ancestrales-qui-vous-empecheront-de-dormir-cette-nuit-omg

Goste/partilhe